segunda, 26 de junho de 2017

Shrimp & Grits, ou grits de milho com camarões cajun

0 Comentários

Pouco falei aqui sobre minha viagem de férias de fevereiro. Em parte porque a ideia é colocar tudo no novo site que está por vir. Mas também porque, pra entrar aqui, tem que ser uma receita. E eu simplesmente não tinha arrumado tempo para planejar e testar receitas que fossem condizentes com as delícia que comi em New Orleans, por exemplo.
Cada restaurante ou café no qual comemos naquela cidade foi completamente perfeito. E comemos bastante, tudo que nossa barriga conseguia aguentar. Eu fiquei altamente frustrada, inclusive, por não conseguir encaixar mais comida no estômago depois de algum tempo. Aquele brownie de chocolate belga do Who Dat Coffee, por exemplo… merecia ser comido mais do que apenas duas vezes.

Shrimp and grits, uma receita tradicional do sul dos Estados Unidos, pode ser chamada de camarões com grits de milho

Shrimp and grits, uma receita tradicional do sul dos Estados Unidos, pode ser chamada de camarões com grits de milho
Um dos pratos que eu decidi reproduzir em casa foi o Shrimp & Grits com tempero cajun. Comemos essa belezinha em um mercado estilo feirinha de negócios locais. Vou explicar melhor: é um local privado que reúne diversos pequenos negócios juntos, de comida em sua maioria. Chama-se St. Roch Market e fica em Bywater – uma área que tem sido renovada nos últimos anos na cidade.
Parece que a ideia do local era voltar a ser uma grande feira estilo mercadão municipal, oferecendo frutas, legumes, produtos locais. Mas a renovação daquele galpão acabou trazendo outra proposta: lá, você encontra diversos pequenos negócios de comida e bebida. Pense em food trucks, mas sem os carros.
Tinha desde exemplares da culinária tradicional creole e cajun, do sul americano, como ceviche e burgers. Sr. Namorado acabou com um sanduíche, mas é claro que eu insisti em manter meu paladar na culinária local. Pedi com o Fete au Fete o Nola Trio, com três exemplares de comidas deliciosas e tradicionais. Um deles era o incrível shrimp & grits.

Shrimp and grits, uma receita tradicional do sul dos Estados Unidos, pode ser chamada de camarões com grits de milho

Shrimp and grits, uma receita tradicional do sul dos Estados Unidos, pode ser chamada de camarões com grits de milho
Gostoso é pouco pra esse prato. Claro que é diferente, afinal nosso prato comum de comida não costuma incluir esses grits – que eu só consigo descrever como uma papinha de farinha de milho com queijo. Grits é bem específico para vender lá e eu não encontrei por aqui. Mas o mais próximo disso é a canjiquinha (xerém) e foi o que eu usei para reproduzir o shrimp & grits.
Os camarões são temperados com tempero cajun que comprei por lá, que é uma mistura já pronta, mas é possível fazer o seu: 2 colheres de sopa de páprica defumada, 1/2 colher de sopa de pimenta preta, 1/2 colher de sopa de pimenta branca, 1/2 colher de sopa de alho em pó, 1/2 colher de sopa de cebola em pó e 1/4 colher de sopa de pimenta caiena. Ou menos se você preferir, ou mais, calibre do seu jeito!

Shrimp and grits, uma receita tradicional do sul dos Estados Unidos, pode ser chamada de camarões com grits de milho

Shrimp & Grits, ou grits de milho com camarões cajun
Receita daqui, com adaptações.
Rende: 4 porções

Grits
1 xícara (200g) de canjiquinha (xerém, essa aqui ó)
2 xícaras (500ml) de água ou caldo de legumes
2 xícaras (500ml) de leite integral
+ água ou caldo se necessário
1 colher de sopa (25g) de manteiga sem sal, gelada
1 colher de chá de sal
100g de queijo minas padrão, ralado (ou queijo cheddar de corte, americano)

Camarões
4 colheres de chá do tempero cajun acima, já misturado
400g de camarões limpos, sem casca, só com o rabinho
1 cebola média, picada
2 colheres de sopa (50g) de manteiga sem sal
160g de creme de leite fresco (com 35% de gordura)
cebolinha ou cebolete fresco, picado

1 – Comece preparando os grits. Em uma panela alta, leve para ferver a água (ou caldo) e o leite. Acrescente o sal e, quando ferver, acrescente lentamente a canjiquinha mexendo com uma colher enquanto ela cai na água. Mexa bem pelos primeiros minutos, para que a canjiquinha não embolote.
2 – Deixe cozinhar em fogo baixo por uns 10 minutos, até que a canjiquinha esteja cozida. Se o líquido secar nesse meio tempo, acrescente mais água ou caldo aos poucos, uma colher de sopa de cada vez.
3 – Por último, adicione a manteiga em pedaços e o queijo. Desligue o fogo e misture bem com uma colher para derreter a manteiga e o queijo. Reserve com a panela tampada enquanto prepara o camarão.
4 – Em uma frigideira bem grande, refogue a cebola na manteiga em fogo baixo, até ela amolecer, uns 3 minutos.
5 – Adicione os camarões, colocando um do lado do outro, e aumente o fogo pro médio. Adicione o tempero, espalhando por todos os camarões em uma chuvinha. Doure os camarões por 1 minuto de cada lado.
6 – Quando estiverem douradinhos, acrescente o creme de leite e misture com uma espátula ou colher de madeira. Cozinhe por uns 3 minutos, até que o creme de leite engrosse e vire um molho. Prove e tempere com sal a seu gosto. Nesse finalzinho, você pode ligar o fogo da panela dos grits para esquentá-los novamente.
7 – Para montar o prato, coloque uma boa colherada (ou duas) de grits no prato e dê uma balançadinha para que ele espalhe e forme uma caminha para os camarões. Sirva pelo menos uns 8 a 10 camarões por prato – depende do tamanho dos seus, claro! Depois derrame umas duas colheres do molho por cima. Espalhe cebolinha ou cebolete por cima e sirva seu prato de New Orleans, feito com aquele jeitinho brasileiro.

É claro que minha reprodução humilde de shrimp & grits jamais irá se comparar ao que o Fete au Fete fez. Ele usou camarões locais, linguiça caseira, grits moídos por ele mesmo e queijo cheddar que só vende por lá. Mas é um jeitinho pra que eu fique menos agoniada pra voltar o mais rápido possível – pra comer ainda mais, claro.

Shrimp and grits, uma receita tradicional do sul dos Estados Unidos, pode ser chamada de camarões com grits de milho
Dicas:
– Se encontrar queijo cheddar de corte, americano, na sua cidade, use ele para ficar bem tradicional. Não use cheddar cremoso nem aquele cheddar já fatiado, de hambúrguer, pois não fica bom. Melhor usar o queijo minas padrão mesmo.
– A versão “original” tem bacon, ou linguiça, mas eu fiz sem. Se quiser o bacon, é só saltear ele puro, na frigideira, até cozinhar bem, depois retire da frigideira e use a própria gordura do bacon para cozinhar a cebola – omita a manteiga nesse caso, senão vai ser uma bomba de gordura. Quanto de bacon? Quanto seu coração mandar.
– O ideal é usar o creme de leite fresco pois ele vai ferver, mas eu já fervi o creme de leite de caixinha em outras receitas e nunca talhou. Eu tranquilamente usaria nesta aqui em caso de necessidade.

sexta, 05 de fevereiro de 2016

Couscous marroquino com camarões

9 Comentários

Tive um fim de dia não muito bom recentemente. Daqueles que fica um gostinho de amargo na boca e você nem entende direito o motivo. Além de triste, foi frustrante porque achei que seria tudo 100%. Criei expectativas, sabem, e expectativas não prestam muito para manter a sanidade de uma pessoa.
Para salvar o resto do dia, tive um ímpeto de ver meus amigos. Reuni minha coragem de sair de casa – porque eu sou preguiçosa e caseira, não necessariamente nessa ordem – e fui, aos 47 do segundo tempo, atrás do meu melhor amigo. Acabei em uma casa de outros amigos, com pessoas que eu não conhecia e que pessoalmente acabei nem interagindo muito.
Mas somente essas horinhas a mais acordada, com pessoas que eu desejo bem e que sei que me desejam bem, foi o suficiente para aliviar as angústias do meu coração. O amargo passou, o dia não ficou marcado como um lixo total. Rendeu boas histórias e alguns minutos daqueles risos que doem a barriga.

couscous_camarões
Eu sou dessas que acredita que família não é determinada pelo sangue, ou pela obrigação. Família é quem a gente ama. Então eu posso escolher minha família, desde que eu ame aquelas pessoas.
Eu escolhi uma família de amigos para mim. Pessoas que eu sei que posso contar, seja às 6h da manhã para bater um papo, no meio da tarde sem nenhum planejamento pra comer um burgão ou às 23h59 da virada do ano quando eu disser “cadê você?”. Pessoas que sabem dos meus defeitos e problemas, sabem que eu sou sarcástica, pentelha, crítica, exagerada, preguiçosa, péssima com matemática, de humor negro e altamente duvidoso e que algumas vezes eu vou falar sem pensar.
Mas são as mesmas pessoas que puxam minha orelha delicadamente, ou grosseiramente mesmo, que me dizem que eu sou preguiçosa na minha cara, que fazem piada com minha ineficiência total com números e que apontam sem cerimônia quando eu ofendo ou magoo alguém com meus comentários.
São as mesmas pessoas que sabem que eu sou amiga deles, provavelmente do mesmo jeito que eles são meus. E eles passam pelos meus defeitos e problemas, assim como eu passo pelos deles, e chegamos – juntos – ao que significa família… ou amizade! Pra mim dá na mesma. E é por isso eu amo essas pessoas do fundo do meu coração.

couscous_camarões3
Desde que me mudei para morar sozinha, descobri os fascínios do couscous marroquino. Esses pequenos grãos – que nem são grãos! – são ótimos como um acompanhamento rápido e que deixa todos bem satisfeitos. Dá pra servir puro ou incrementar, como essa receita faz. A versatilidade dele tem me feito muitas vezes trocar o famoso arroz nosso de cada dia por couscous.

Couscous marroquino com camarões
Rende: porções para 5 pessoas
Receita da incrível Martha Stewart, que não tem como dar errado. Adaptei um pouquinho.

2 colheres de sopa de azeite
600g de camarões, sem casca e limpos
1 1/2 alho poró, cortado ao meio e depois fatiado em rodelas
2 cenouras médias, raladas
5 dentes de alho, picados
1 xícara de couscous marroquino, tamanho médio
1 xícara de ervilhas verdes (pode usar a congelada, só descongele antes)
2 xícaras de água fervente (ou 2 xícaras de caldo de legumes fervente)
sal e pimenta a gosto

1 – Mantenha a temperatura da água ou do caldo fervendo de vez em quando enquanto prepara a receita. Lembre-se que a água vai evaporar aos poucos, então garanta que no fim você terá 2 xícaras.
2 – Em uma panela bem grande, esquente o azeite no fogo médio e coloque os camarões. Deixe-os cozinhar com um pouco de sal e pimenta, até que estejam prontos. Não leva mais do que 2 minutos, se seus camarões não estiverem gelados. Assim que ficarem rosinhas dos dois lados, estão prontos. Não deixe cozinhar muito senão ficam borrachudos. Remova-os da panela e reserve.
3 – Adicione o resto do azeite na mesma panela e coloque o alho poró, as cenouras e o alho. Cozinhe mexendo sempre por 5 minutos, ou até que tudo tenha murchado um pouco.
4 – Adicione o couscous e as ervilhas. Misture bem. Tempere com um pouco de sal e pimenta, acrescente a água ou caldo fervente e desligue o fogo. Misture de leve, ou apenas balance a panela para que o líquido se assente. Prove o sal e ajuste, mas seja rápido pois o couscous precisa ser abafado no calor do líquido.
5 – Tampe a panela e deixe descansar por 5 a 10 minutos fora do fogo. Depois abra e misture com um garfo. Deve estar super fofinho e o couscous deve ter absorvido todo o líquido. Então devolva os camarões já prontos, dê uma mexidinha para ficar uniforme e sirva imediatamente.

Dá pra usar camarões congelados também, mas eles contém muita água, então na hora de saltear na panela, vá removendo o líquido que sai aos poucos. Se não tiver alho poró, dá pra fazer com cebola também, é só usar uma inteira de tamanho grande, bem picadinha.

couscous_camarões2
Quem está na sua família de amigos?

Ju Morgado

Sou uma jornalista com mais paixões do que o tempo me permite cultivar. Descobri na cozinha meu paraíso, meu refúgio depois de um dia cansativo ou estressante. É quase um vício, realmente. Não apenas cupcakes, mas qualquer coisa que eu ache interessante, desafiante ou divertido de fazer. Apesar do nome do blog, não é só de cupcakes que eu vivo. Amo fazer risotos, de todos os sabores, e simplesmente amo qualquer receita que envolva qualquer tipo de queijo.

A história do Cupcakeando

Não sei bem quando ou porquê eu comecei a me interessar por cozinhar. A lembrança mais antiga que tenho é de minha mãe me puxando para a cozinha, para me ensinar a fazer arroz branco, comum, e o molho de macarrão com tomates frescos que só ela sabe temperar.
Tudo que eu sei de cozinha aprendi de um jeito: prática. Minhas receitas são criadas da minha cabeça e implementadas dos meus testes ou então milimetricamente medidas de fontes confiáveis.
Tenho uma verdadeira paixão por cupcakes, pois acho que eles reúnem o que há de melhor na cozinha: manteiga, açúcar, fofurice, capricho e criatividade. Tudo na medida certa para uma pessoa saborear. Gosto de tentar coisas novas com esses pequenos e descobrir jeitos diferentes de decorá-los. Quando não estou fazendo nada, começo a pesquisar e estudar receitas, teorias e decorações de cupcakes. É, isso mesmo, estudar.
O blog também é uma maneira de praticar minha segunda paixão: fotografia. Sou daquelas que, enquanto passeia pelo parque, começa a achar ângulos de fotos que ficariam maravilhosas. Assim como eu estudo gastronomia e culinária, sento para ler sites e livros enormes sobre fotografia.

O gerúndio

Não fale mal dele antes de conhecê-lo melhor. Já ouvi por aí dizerem que jornalista jamais, sob nenhuma circunstância, pode usar o gerúndio. A justificativa fez sentido: “você usa o gerúndio quando não quer dar nenhuma previsão de término para sua a ação”, o que, no jornalismo, é basicamente como deixar o leitor esperando para sempre por aquela obra sanitária que o governo prometeu.
Mas foi exatamente a mesma explicação que me convenceu a usar o gerúndio para o nome do blog: eu não tenho previsão de fim para minha produção de cupcakes, jamais pretendo parar de fazê-los ou de cozinhar em geral. Se não tiver mais encomendas, será para amigos. Se meus amigos enjoarem, será para minha família. Quando minha família me dizer “CHEGA”, será para mim mesma (e talvez meu corgi. Eu tinha uma husky siberiana linda, que infelizmente se foi, mas vai estar sempre na minha memória). Porque é o que eu amo fazer e o que me deixa feliz.

Copyright

Todas as fotos e textos nesse site são produzidos pela confeiteira Ju Morgado, a não ser que esteja especificado o contrário. Eles representam muito trabalho e esforço. Caso deseje utilizar alguma foto ou texto do site, por favor, entre em contato. Ficarei imensamente grata em ajudar, mas é importante dar os devidos créditos. :)

Creative Commons License
Essa obra é licenciada perante a
Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Contato

Será que sua pergunta já não foi respondida no FAQ? Dê uma lida nele antes, para ter certeza!

Envie suas dúvidas ou pedidos de encomendas por aqui. Minhas encomendas de cupcakes são apenas para o Distrito Federal (DF). Outros doces e produtos podem ser enviados, a depender do pedido.

Eu respondo a todos os e-mails enviados. Garanta que você receberá minha resposta adicionando o e-mail contato@cupcakeando.com.br na sua lista de endereços seguros, ou minha resposta poderá cair na sua caixa de Spam!