Thursday, 26 de July de 2012

Um digno hambúrguer caseiro

15 Comments

Como uma boa viciada em cozinhar, eu adoro achar receitas faça você mesmo. Coisas que eu podia encontrar no supermercado, enlatadas e industrializadas, prontas para facilitar a nossa vida. No começo, era mais curiosidade: como elas eram feitas? Depois, passei a entender que era melhor fazer em casa do que comprar pronto.
Parte disso, devo ao Jamie Oliver. Foi muito tempo atrás, quando vi um vídeo dele na internet sobre como são feitos os nuggets que comemos nos fast foods. Eco! A verdade é essa: não fazemos a menor ideia do que as indústrias colocam nos produtos que comemos diariamente. Eu desconfio até dos legumes enlatados e, se eu pudesse, plantaria meus próprios tomates em casa.
Minha jornada pela comida de verdade teve outro passo a mais durante o Food Revolution Day, um evento internacional organizado pela fundação do Jamie, que aconteceu simultaneamente por várias cidades do mundo no dia 19 de maio. Basicamente, éramos voluntários e não ganhamos nada com isso além de momentos divertidos, várias receitas novas na cabeça, dicas de chefs e muita interação com a população brasiliense que compareceu ao Parque da Cidade. O vídeo abaixo foi feito pela produção do evento.


Foi um dia maravilhoso. Passei a ter mais esperança no futuro nutricional do nosso país ao ver muitas crianças andando por lá, observando atentamente as receitas dos chefs e aprendendo mais sobre frutas e legumes naturais.

Food Revolution Day Brasília!
Nessa onda, em um fim de semana em que desejei por um hambúrguer, resolvi fazer em casa. Qual a vantagem, você pergunta, de preparar na sua cozinha e não ir no fast food mais próximo? São vários argumentos e você pode escolher o seu: dá pra fazer do tamanho que você quiser, é mais barato, é mais gostoso, você sabe exatamente o que está ali dentro e você pode adicionar praticamente qualquer coisa.

Hambúrguer do Jamie
Receita original do Jamie Oliver, com adaptações.
Rende: pelo menos 6 hambúrgueres de 2 cm de altura

450g de carne moída, de boa qualidade: alcatra ou maminha
12 bolachas de cream cracker comum
3 colheres de sopa de salsa picada bem fina
2 colheres de chá de mostarda dijon
1 ovo grande
1/4 de queijo parmesão ralado
Sal e pimenta a gosto

1 – Triture as bolachas. Eu fiz isso com ajuda de um pano de prato limpo e alguma força. Se precisar, use um martelinho de carne com cuidado. Um multiprocessador também serve, mas não deixe ficar muito fino e virar farinha.
2 – Em uma vasilha grande, coloque as bolachas quebradas, a carne moída, a mostarda dijon, o queijo e a salsa. Misture com a melhor ferramenta da cozinha, suas mãos limpas!
3 – Quebre o ovo em cima e então tempere com o sal e a pimenta. Misture tudo com intensidade, até que a massa esteja uniforme.
4 – Separe os hambúrgueres em 6 bolas e então as amasse até que tenha mais ou menos 1,5cm de espessura. Se quiser congelá-los, guarde envolto em papel plástico no congelador.
5 – Coloque-os em uma vasilha rasa, untada com um pouco de azeite. Leve-os ao congelador por no máximo 15 minutos.

Cru!
6 – Para grelhar, o melhor é usar um grill (George Foreman ou uma daquelas máquinas de waffle, usando o lado liso), pois daí o hambúrguer fica ainda mais saudável sem o uso de óleo. Caso não tenha, use uma frigideira rasa antiaderente. Espere ficar bem quente para colocá-los – a dica é esperar sair fumaça – e então diminua para o fogo baixo. Cada hambúrguer leva mais ou menos 5 minutos de cada lado para ficar ao ponto, com o centro levemente avermelhado.

Pronto!
Como eu queria ser ainda mais saudável, ao invés de colocar no pão, comi com salada. Vergonhoso, não é? Mas estava gostoso, ainda mais com o molho caesar caseiro que fiz, ali do lado.

Dicas:
– Caso resolva congelar, retire da geladeira pelo menos 30 minutos antes de grelhar.
– Na falta de bolachas creamcrackers, um pão velho e triturado nas mesmas proporções dá conta do recado! Aquela farinha Panko também é boa.
– Exerça sua criatividade! Mude o queijo ou adicione outros temperos como tomilho, alecrim, erva doce e orégano. Fica muito gostoso!

O que você pensa sobre fazer tudo em casa? Acha melhor?

  1. Titi.
    26 de July de 2012 - 22:09

    hmmmm, tem tbm uma receita no gnt muito boa!
    bjj sewingadream.wordpress.com

    • 27 de July de 2012 - 07:24

      Do Gastronomismo? Se for, eu já vi, é bem legal também! Quero testar! :)

  2. Cláudia
    28 de September de 2012 - 08:35

    Ah, ontem assisti o Chef Buddy Valastro (Carlo’s Bakery) preparando iscas de peixe com farinha Panko, deu pra sentir a crocância pela televisão. rsrs
    Você conhece o molho apimentado delícia da Ceasar Salad do Outback? Sabe fazer?
    Queria muito saber que receita é essa, pois adoro!!!
    E tudo que eu puder fazer em casa, faço! Acredito e muito estar prologando mais alguns anos de nossas vidas. ;*

    • 28 de September de 2012 - 13:58

      Já fiz uma réplica daquele molho em casa, mas sem a pimenta. Não sou tão fã de pimenta. Mas, claro, esses grandes restaurantes sempre tem um ou dois truques nos molhos e pratos para tornar impossível de reproduzir em casa fielmente. O meu ficou bem parecido! Vou fazer um dia para colocar aqui! :)

      Meu próximo passo é fazer ketchup caseiro, porque os industrializados tem conservante demais. Em prol da comida de verdade, feita em casa!

      Beijo!

  3. 10 de April de 2013 - 22:32

    Se paro para pensar nisso Ju, também tenho vontade de plantar meus próprios tomates! Kkkkkk!

    AMO quando chego na casa da mãe e ela tem temperinhos e saladas orgânicas da horta pra me dar! Meu vô tinha uma plantação um pouco mais vasta, mas como ele se foi, a plantação acabou. :(

    Nada como comer algo que você sabe de onde veio! Rsrsrsrsr!

    Mas enfim, comentei aqui mesmo pra pedir receitas sem carboidratos! Estamos cortando ele durante a noite e tá cada vez mais difícil pensar em algo simples, fácil, rápido e GOSTOSO pra fazer de janta!

    Será que você tem sugestões? :D

    Beijos!!!

  4. Pedro Silva
    15 de May de 2013 - 20:55

    Como faz o molho caesar ?

    • 20 de May de 2013 - 22:17

      A receita vai entrar no blog qualquer dia, Pedro. Fique ligado!

  5. Thaís
    28 de September de 2013 - 19:11

    Ju, tb sou assim, dou preferência a tudo q é feito em casa, com minhas próprias mãos… primeiro pq tenho enxaqueca e 100% dos produtos industrializados são um gatilho, e segundo pq tudo q é caseiro é muito mais saboroso por ter o “tempero especial da vovó” e ser com produtos frescos e naturais…
    Sei q essa quinta estava com desejo por hamburguer (isso pq odeio hamburguer hahaha) e decidi fazer para o jantar. Usei 500gr de maminha moída + 250gr de pernil moído + salsinha, cebolinha, cebola, sal e molho de pimenta caseiro(batidos no liquidifacador até ficar uma pastinha); o resultado foi um hamburguer extremamente saboroso, q até minha irmã q não abre mão dos Fast Food da vida ficou apaixonada e pediu para eu repetir o menu na sexta pq ela não ia mais jantar fora! hahaha (ela tb odeia pimenta, mas amou o sabor q ela deu)
    Depois de assados com azeite, coloquei uma fatia de queijo prato e uma grossinha de gorgonzola por cima e deixei derreterem, e claro a parte saudável, alface e tomate hahaha

    Enfim, experimente esse hamburguer, tenho certeza q vc vai adorar =) e já q vi vc falando sobre ketchup caseiro, tente a receita q o Buddy ensina no Kitchen Boss, é excelente!

    A propósito, adoro seu blog. Entro toda semana na expectativa de ver o q de tão maravilhoso vc postou para eu testar!

    Beijão!

    • 06 de October de 2013 - 20:15

      Oi Thaís! Que receita bacana, certamente vou guardar e fazer! Mostrei pro Sr. Namorado e ele adorou a ideia de misturar pernil e maminha.
      Beijos!

  6. Jo
    21 de March de 2014 - 08:01

    Oi, Ju. Parece uma delícia!! Como faz o molho caesar?

    • 23 de March de 2014 - 17:03

      Jo, vou colocar a receita do molho no blog em breve, fique ligada! :)

  7. 29 de August de 2014 - 07:27

    […] da Wilton, por muitos mil reais cada 100g. Muito frustrante. Então, juntei a chateação com meu desejo de fazer tudo em casa que tanto apavora o Sr. Namorado (“ketchup caseiro porque?? É só comprar PRONTO!”), e fui […]

  8. 28 de January de 2015 - 18:40

    Adoro salada! Eu tambem tenho a minha versao.

  9. Ana
    02 de September de 2017 - 17:32

    Ju, eu fiz com patinho e a textura ficou excelente mas ficou sem sal…eu sempre prefiro colocar menos sal pra nao correr o risco de exagerar mas como a carne era crua nao dava pra experimentar…vc pode me dar uma ideia de proporção entre o sal e a quantidade de carne pra não errar na próxima?

    • 26 de September de 2017 - 13:55

      Ana, eu costumo usar 1 colher de chá de sal pra umas 450g-500g de carne, e também tempero BEM de leve a superfície dos hamburguers antes de ir pra frigideira. Mas uma dica é vc temperar tudo, misturar bem, depois tirar um pedacinho pequeno e fritar, pra provar e ver se ficou bom. Depois adicione mais se achar que precisa. :)

Juliana Morgado

I’m a journalist with more passions than time can allow me to have. I have found in the kitchen my paradise, my resting place after a long and exhausting day. It’s my addiction, really. Not only cupcakes but anything that I find interesting, challenging or fun to do. Despite the blog’s name, it’s not all about cupcakes. I love cooking risotto, of all kinds, and I simply love any recipe with cheese.

Cupcakeando’s History

I’m not sure when or why I started to cook. My memories are of my mother putting me in the kitchen and teaching Brazilian white rice and her awesome pomodoro sauce for spaghetti, with fresh tomatoes just the way only she can do. All I know in the kitchen I’ve learned by one way: practice. My recipes are created from my head and implemented with the tests I run, or even meticulously measured from trusted sources.
I have a true passion for cupcakes, because I believe they represent everything that’s good in the kitchen: butter, sugar, cuteness, dedication and creativity. Everything in the right amount for one person.
I enjoy experimenting with these little ones, and finding out new ways do decorate them. When I have nothing better to do, I start researching and studying recipes, theories and decorations for cupcakes. Yeah, study, that’s right.
The blog is also a place for my second passion: photography. I’m that person who keeps looking for angles and shots while walking on the park. I also study the art of photography through websites and books.

The Name

Cupcakeando means, roughly, cupcakeing in Portuguese. The noun “cupcake” is in a verb tense that most well-schooled Brazilians hate because it means an action that will never stop. That’s precisely my intention. I don’t have any wish to stop my cupcake factory anytime soon, or even stop cooking in general. If I don’t have anymore orders, it will be for friends. If my friends get sick of it, it will be for my family. When my family says “ENOUGH”, it will be for myself (and maybe for my Siberian husky and my Pembroke corgi). Because that’s what I love to do and what makes me truly happy.

Copyright

All photos and texts on this website are produced by Cupcakeando, unless specified otherwise. They represent a lot of work and effort. In case you want to use any photo or text from this website, please make sure to link back to me or even get in touch with me before anything. I’ll be glad to help, but it’s important to give the proper recognition. :)

Creative Commons License
This work is licensed under a
Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Contact

What if your question has already been answered on the FAQ? Read it just to make sure!

Send your questions or doubts through here.
I answer to each and every e-mail sent to me. Make sure you’ll get my e-mail by adding contato@cupcakeando.com.br to your safe contacts, or my answer might just flip into your spam box.