Monday, 04 de January de 2016

Jambalaya e mais metas para dobrar em 2016

16 Comments

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

  1. Juliana
    04 de January de 2016 - 09:32

    Juuuu! Super me identifiquei com seu bloqueio espanhol! Também sou fluente em inglês e parti para o francês, é a língua mais linda da vida =) Cursei na Cooplem da Asa Norte, é um curso bom! Se quiser ir além, tente um intercâmbio no Canadá, fiz um curso intensivo de 1 mês em Montreal e aprendi muita coisa! Feliz Ano Novo e sucesso com a nova língua!

    • 17 de January de 2016 - 22:41

      Ju xará, obrigada pela dica! Vou atrás desse Cooplem pra ver como é, quanto é, etc! :D

  2. Claudia
    04 de January de 2016 - 09:37

    Sou sua fã, de verdade! Minhas ideias batem demais com as suas! Acho que eu devia te conhecer pessoalmente, pq tenho a impressão que vc mora perto da minha casa! Meu marido já encontrou com vc e o Freddie no parquinho!!! Amo jambalaya! Ah! Eu escolheria francês, até comecei semestre passado, mas por vários contratempos, parei! ;*

    • 17 de January de 2016 - 22:42

      Claudia, eu lembro do seu esposo! Hahahaha, nunca mais o encontrei descendo com os cães… na verdade, não vou tanto lá, já que o Freddie não mora comigo… Mas quem sabe a gente se encontra por ali qualquer dia! :D Beijos beijos!

  3. Valéria
    04 de January de 2016 - 11:33

    Espanhol, quando vc decidir aprender vai ser muito rápido. Frances é uma língua de uma sonoridade sem igual. Vejo várias motivações para aprender frances: para vc que gosta de culinária imagine-se lendo os grandes chefes de uma cozinha maravilhosa no original; literatura riquíssima é um outro estímulo, não precisa nem falar na sensualidade de um frances bem pronunciado, acho que Sr. Namorado vai gostar disso, etc. etc. etc.. Escolha aprender com um professor de Paris, a pronúncia é linda, clara e de fácil entendimento. As ex colonias tem um frances pastoso, acho que não vale a pena. como também algumas regiões da França, como o sul, que a língua tem uma certa influência italiana não é uma pronúncia bonita. Boa Sorte, sucesso. Quero ver posts em frances em pouco tempo.

    • 18 de January de 2016 - 17:29

      Valéria, é uma das motivações pra aprender francês também: o fato de poder falar a língua da culinária, né? Um bom argumento o seu! Beijos!

  4. Maitê
    04 de January de 2016 - 12:14

    Ju, minha sugestão é você aprender francês!!! Eu cheguei a fazer um pouco e posso dizer que você vai encontrar muita relação com o inglês, mesmo sendo de raízes diferentes. O mais difícil pra mim foi essa confusão inglês/francês, já que o inglês eu sei melhor e está muito mais presente no nosso dia a dia.
    Espanhol é mais fácil, o que dificulta é a proximidade com o português, dá a impressão que o”portunhol” nunca vai te abandonar, mas o importante é conseguir se comunicar, se fazer entender, então o “portunhol” não é tão problemático! rsrs
    Boa sorte em 2016 pra mais receitas maravilhosas como esta de Jambalaya!

    • 18 de January de 2016 - 17:32

      Maitê, acho que vou no francês mesmo, torcendo pra não dar muita confusão mental com o inglês! Um ótimo 2016 para você também, queridona! :)

  5. Gabriel
    04 de January de 2016 - 17:18

    Oi Ju!!
    Eu também morro de vontade de aprender italiano, mas me falta tempo até mesmo de pegar fluência no inglês, então vai ficando na fila. Mas acho que entre espanhol e francês, acho que é mais vantagem o francês, por mais difícil que seja.
    Que cor linda que fica este prato!! Quero fazer e experimentar com pedaços de frango, tentar fazer uma versão com arroz integral dele, pra poder incluir na dieta… kkkk
    Difícil, mas a gente tenta.

    Beijos

    • 18 de January de 2016 - 17:34

      Gabriel (já pode chamar de Biel? Me sinto íntima), acho que francês é mais vantagem mesmo. Pensei em fazer com arroz integral, mas fiquei sem muita noção da quantidade de água que colocaria, já que o integral demora mais para cozinhar. Faz e me conta o resultado! :D

  6. Rosalia
    16 de January de 2016 - 13:41

    Oi! Olha, eu sou professora de francês e, pela minha experiência, não importa qual língua você escolha, é importante que você tenha alguma conexão, de fato, com ela e com a cultura dos países em que ela é falada. Eu acabo recebendo muitos alunos que estudam francês porque é “importante” ou “bonito”, mas que não tem nenhuma afinidade ou conexão concreta com a língua. Nesse caso, a aprendizagem fica mais demorada, cansativa e difícil pois a pessoa não escuta músicas na língua, vê filmes ou séries, lê livros, quadrinhos ou jornais na língua. Ou seja, antes de olhar a parte “prática”, olha o que te cativa mais, o que te motiva de verdade. =) Daí em diante, a aprendizagem vai ser um grande prazer e não um processo chato, lento e pouco efetivo. Bonne chance!

    • 25 de January de 2016 - 22:47

      Rosalia, mais uma razão para talvez investir no francês, porque eu teria mais contato ainda com filmes e livros de confeitaria e gastronomia em geral, não é? Espanhol eu confesso que não ia me interessar tanto… Obrigada pela dica!

  7. Yasmin
    02 de February de 2016 - 11:02

    Oi Ju! Olha, sempre tive essa vontade de aprender vários idiomas, e como você já sou fluente em inglês. Eu já fui pra outro lado, estou aprendendo coreano (e adorando, apesar de ser muito difícil!). Como a Rosalia falou, estudar um idioma que você tenha uma conexão facilita. Eu já ouvia músicas coreanas antes de começar e comecei a assistir programas de variedades, séries e filmes. E realmente, ajuda muito. Sem contar que você sai um pouco daquele formato de aula tradicional e aprende um pouco nos seus momentos de lazer.
    Estou me mudando pra Brasília e acho que vou continuar os estudos na UNB, vi que lá tem muitas opções de idiomas (até grego tem). Boa sorte!

    • 10 de February de 2016 - 08:11

      Yasmin, por mim eu aprenderia polonês! Hahaha. Pena que não encontro ninguém que dê aulas de polonês, e também não teria nenhuma utilidade para meu currículo, a não ser se eu quisesse me mudar pra lá agora – o que é verdade pura, mas né, vamos pensar com o cérebro e não com o coração… hahaha. Beijos!

  8. 23 de January de 2017 - 08:01

    […] conclui minha meta para o ano de 2016 e, é claro, eu falhei miseravelmente. Nem fui atrás do tal curso de língua estrangeira que quis fazer. Ainda quero! E decidi por francês. Mas estou focando em novos projetos, inclusive aqui para o […]

  9. 02 de May de 2017 - 08:00

    […] de salmão, com o molho de salada de macarrão frio, com o molho de tomates da Paolla, com o jambalaya e com umas outras trocentas receitas de cupcakes daqui do blog. O bom dessa obsessão é que eu […]

Juliana Morgado

I’m a journalist with more passions than time can allow me to have. I have found in the kitchen my paradise, my resting place after a long and exhausting day. It’s my addiction, really. Not only cupcakes but anything that I find interesting, challenging or fun to do. Despite the blog’s name, it’s not all about cupcakes. I love cooking risotto, of all kinds, and I simply love any recipe with cheese.

Cupcakeando’s History

I’m not sure when or why I started to cook. My memories are of my mother putting me in the kitchen and teaching Brazilian white rice and her awesome pomodoro sauce for spaghetti, with fresh tomatoes just the way only she can do. All I know in the kitchen I’ve learned by one way: practice. My recipes are created from my head and implemented with the tests I run, or even meticulously measured from trusted sources.
I have a true passion for cupcakes, because I believe they represent everything that’s good in the kitchen: butter, sugar, cuteness, dedication and creativity. Everything in the right amount for one person.
I enjoy experimenting with these little ones, and finding out new ways do decorate them. When I have nothing better to do, I start researching and studying recipes, theories and decorations for cupcakes. Yeah, study, that’s right.
The blog is also a place for my second passion: photography. I’m that person who keeps looking for angles and shots while walking on the park. I also study the art of photography through websites and books.

The Name

Cupcakeando means, roughly, cupcakeing in Portuguese. The noun “cupcake” is in a verb tense that most well-schooled Brazilians hate because it means an action that will never stop. That’s precisely my intention. I don’t have any wish to stop my cupcake factory anytime soon, or even stop cooking in general. If I don’t have anymore orders, it will be for friends. If my friends get sick of it, it will be for my family. When my family says “ENOUGH”, it will be for myself (and maybe for my Siberian husky and my Pembroke corgi). Because that’s what I love to do and what makes me truly happy.

Copyright

All photos and texts on this website are produced by Cupcakeando, unless specified otherwise. They represent a lot of work and effort. In case you want to use any photo or text from this website, please make sure to link back to me or even get in touch with me before anything. I’ll be glad to help, but it’s important to give the proper recognition. :)

Creative Commons License
This work is licensed under a
Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Contact

What if your question has already been answered on the FAQ? Read it just to make sure!

Send your questions or doubts through here.
I answer to each and every e-mail sent to me. Make sure you’ll get my e-mail by adding contato@cupcakeando.com.br to your safe contacts, or my answer might just flip into your spam box.