Wednesday, 24 de August de 2016

Cupcakes de torta de Bis

29 Comments

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

  1. Angela Rodrigues Lustosa
    24 de August de 2016 - 10:15

    Bom diaaa Ju sua linda!!!! Não agüentava mais esperar por receitas no blog haha. Com certeza vou fazer essa o mais rápido possível.
    Eu tenho uma memória alimentícia muito gostosa,quando eu tinha uns 9 anos,minha mãe comprava uma espécie de “salgadinho de churros” eram mini churros muito gostosos dentro do pacotinho. Hoje em dia eu não acho mais,porém só de pensar,já sinto o gosto.
    Beijos linda,obrigada pelo post.

    • 28 de September de 2016 - 01:07

      Angela, não sei se é o mesmo, mas aqui em Brasília é bem comum um mini churros nas festinhas… mas são feitos em máquina, sabe, pra revender. Não vem em saquinho no mercado não.

  2. Otacilia
    24 de August de 2016 - 10:32

    Tenho exatamente a mesma recordação … Lendo seu texto, cheguei a chorar sentindo o mesmo cheirinho, do café no copo de vidro, molhando o pão francês …
    Parabéns pelo belíssimo texto, que me levou de volta à minha infância!
    Bjo

    • 28 de September de 2016 - 01:08

      Otacilia, que bom que gostou e te comoveu… aqui é difícil segurar lágrimas também quando lembro da minha vózinha. :)

  3. Lia Domingues
    24 de August de 2016 - 12:12

    Então…
    A memória olfativa “fica” no nosso cérebro primitivo, também chamado de reptiliano, por ser o mais básico.
    http://www.cerebromente.org.br/n05/mente/limbic.htm
    E por mais que o tempo passe, essa memória sempre será a mais pungente e forte.
    A que traz lágrimas nos olhos, sabe?

    É bom ter lembranças como essa.

    Beijos!

    • 28 de September de 2016 - 01:09

      Lia, está tudo explicado. Obrigada pela informação! Gosto muito de ler essas partes científicas da nossa existência :)

  4. Denyse
    24 de August de 2016 - 12:58

    Juliana, eu também via adultos da minha família molharem o pão no café; eu também fazia isso! Nunca mais, depois que cresci, vi coisa igual e nem me lembrava mais! Sabe que agora, pensando bem, também achei meio nojento? Essa história me fez sentir saudade da minha tia, toda vez que lanchava na casa dela me engasgava com café, de tanto que ria. Também comeria um cinco desses, só pra passar a nostalgia que se instalou em mim.

    • 28 de September de 2016 - 01:10

      Denyse, é isso, hoje eu penso que parece nojentinho, mas, sei lá, ta na memória que é normal, então é normal. Vó que ensinou. :)

  5. Eliene
    24 de August de 2016 - 14:51

    Não se aflita!!
    Ja passei dos 60 e aguardo essas mesmas imagens!
    Ainda hoje, de quando em vez, me pego molhando o pãozinho quentinho no café também. rsrs
    Adorei esta receita

  6. Valeria
    24 de August de 2016 - 14:56

    Olá, lindo seu cupcake. Na foto aparece uma 2a. Camada quase da espessura da primeira, que é praticamente um brigadeiro. Então acho que não entendi direito essa 2a. Ferve o leite com o chocolate em pó e faz uma calda. Molha em cima da primeira e pica o bis em cima? Entao esse marrom q a gente vê na sua foto parecendo um brigadeiro preto é só bis picado? Desculpe pela dúvida acho que meio boba. Grata.

    • 28 de September de 2016 - 01:11

      Valeria, são três camadas e a do meio é a calda de chocolate. Ela não fica como brigadeiro, ela fica mais dura que um brigadeiro. Você coloca ela e pica o bis por cima, sim, forma uma camada de chocolate com o bis, bem gostosa. Beijos!

  7. Juliana
    24 de August de 2016 - 21:03

    Eita, que receita maravilhosa! Tô só acumulando no meu caderninho de “receitas para fazer” tantas opções lindas. <3

  8. Fran
    25 de August de 2016 - 09:35

    Nossa Jú…
    Parece maravilhoso, e aliás como tudo no seu blog!
    Será que vc poderia me ensinar a tirar essas fotos,
    na qual vc destaca o cupcake principal e embaça o fundo
    do cenário? São fotos lindas! Me ensina, por favor?
    É algum app?
    Beijos…

    • 28 de September de 2016 - 01:12

      Fran, isso é a lente que eu uso. Uma lente com abertura maior (ou seja, que chegue até 1.4 por exemplo), causa esse efeito de desfocado no fundo. Eu planejo fazer um post sobre meu material fotográfico e, quem sabe, falar um pouco sobre fotografia de comida aqui também. :)

  9. Andréa Tertuga
    25 de August de 2016 - 16:44

    Oi prima Ju, suas lembranças são parecidas com as minhas e em especial nesta época são as que mais me marcam.
    Fique emocionada quando li este texto rico com cheirinho de saudades. Nesta semana olhando pela minha janela me deparei com a brecha da Janela do quarto da casa de vovó e mesmo que não estivesse mais da mesma forma minha memória me levou naquele lugar e meu coração viajou por lembranças gostosas tais como ela nos ensinava com olhar e atitudes que eram de sua caracteristica natural de ser…Seus paninhos bordados por suas próprias mãos com todo cuidado em lavar, engomar e passar.
    São estas lembranças que a cada dia nos fazem felizes.
    Um grande beijo prima.
    Sdds.

    • 28 de September de 2016 - 01:14

      Prima, a vovó foi um anjinho que tivemos durante muito tempo aqui na Terra e que agora cuida de nós em outros planos. Seja nas memórias ou onde quer que esteja, dependendo das nossas crenças. As lembranças ficam aqui pra que a gente tenha em mente tudo que ela nos ensinou, sempre. Saudades não faltam. Mas vamos tomar aquele café com pão que ela gostava, pra matar a saudade :)

  10. Nalige Zanin
    26 de August de 2016 - 09:19

    Bom dia Ju !!! Casa de vó é a recordação mais gostosa que se tem!
    Flor me tire uma duvida,o segundo creme não coloca nada pra engrossar ele?
    Beijo

    • 28 de September de 2016 - 01:15

      Nalige, não! Ele engrossa só um pouco, e não é pra ficar grosso mesmo não… ele forma uam camada mais dura do que cremosa :)

  11. Michelle
    26 de August de 2016 - 21:22

    Ué, eu não vejo problemas em molhar o pão no café. Eu adoro pão francês com manteiga com sal molhado no café com leite quentinho. Tão bom :3

  12. Larissa Marques de Oliveira
    26 de August de 2016 - 22:32

    Eu tenho algumas boas memórias! Uma delas é pão caseiro….ainda mais quando minha mãe fazia com ervas! O cheiro era maravilhoso e perfumava a casa toda!

  13. Adriana Capelloza
    07 de September de 2016 - 23:24

    Juliana, para mim pão molhado no café combina e eu adoro. Há quem ache deselegante. Eu acho tudo de bom! Quanto à memória afetiva, olfativa e alimentícia, nada supera o cheiro e o sabor do pão e da rosca doce que a minha avó fazia e que comíamos ainda quente, passando manteiga Aviação. Nas férias escolares eu ia para Marília e à tarde nos reuníamos para tomar café. Minha avó, as duas filhas e os três netos ainda crianças, juntos, à mesa da cozinha e saboreando essas delícias tão singelas. O tempo passou, os netos hoje estão na faixa dos 48-50 anos, minha avó já sei foi e não nos reunimos mais. Herdei o gosto de fazer pão e acho que faço relativamente bem, mas nada que se compare aos pães da minha avó Rosa. Guardo com carinho essas lembranças.

    • 28 de September de 2016 - 01:29

      Adriana, todas essas lembranças ficam pra sempre na nossa memória, né? Acho gostoso relembrar. Uma sensação boa. :)

  14. 06 de December de 2016 - 07:34

    […] 02. Cupcakes de Torta de Bis […]

  15. Francis Kühl
    13 de February de 2017 - 12:50

    Oii Juliana, tenho uma pergunta sobre essa receita… Vou fazer, e depois vou transportar e vai ficar umas 3-4 horas fora da geladeira. Será que tem problema?
    Obrigada, é muito mais sucesso para você :)

  16. Francis Kühl
    13 de February de 2017 - 12:53

    Oii Juliana, tenho uma pergunta sobre essa receita… Vou fazer, e depois vou transportar e vai ficar umas 3-4 horas fora da geladeira. Será que tem problema?
    Obrigada, é muito mais sucesso para você :

    • 03 de March de 2017 - 21:59

      Francis, esse cupcake não dura nem uns 30 minutos fora da geladeira, infelizmente. Ele é bem delicado, tem que ser servido imediatamente :)

  17. Luana
    24 de June de 2017 - 20:47

    Lendo esse post bateu o quanto a minha vó materna ira fazer falta para mim quando ela partir, minha avó paterna eu não tenho muito contato mas com a materna com toda certeza eu tenho e muito, eu nunca tive coragem de literalmente conversar com minha avó tipo falar do dia a dia mas sinceramente eu nem quero falar do dia a dia eu já convivo com ele querendo ou não enfim.
    A receita aparenta ser DELICIOSA sério bateu uma vontade de comer parece que eu sinto a cremosidade dentro da minha boca.

    • 01 de July de 2017 - 16:54

      Luana, vá e fale com sua avó. Não precisa falar do dia a dia, não precisa desabafar, pode falar até mesmo da panela no fogo cozinhando o arroz. Mas fale. No futuro vai fazer falta cada segundo que vc não teve com ela. Aproveite!!

Juliana Morgado

I’m a journalist with more passions than time can allow me to have. I have found in the kitchen my paradise, my resting place after a long and exhausting day. It’s my addiction, really. Not only cupcakes but anything that I find interesting, challenging or fun to do. Despite the blog’s name, it’s not all about cupcakes. I love cooking risotto, of all kinds, and I simply love any recipe with cheese.

Cupcakeando’s History

I’m not sure when or why I started to cook. My memories are of my mother putting me in the kitchen and teaching Brazilian white rice and her awesome pomodoro sauce for spaghetti, with fresh tomatoes just the way only she can do. All I know in the kitchen I’ve learned by one way: practice. My recipes are created from my head and implemented with the tests I run, or even meticulously measured from trusted sources.
I have a true passion for cupcakes, because I believe they represent everything that’s good in the kitchen: butter, sugar, cuteness, dedication and creativity. Everything in the right amount for one person.
I enjoy experimenting with these little ones, and finding out new ways do decorate them. When I have nothing better to do, I start researching and studying recipes, theories and decorations for cupcakes. Yeah, study, that’s right.
The blog is also a place for my second passion: photography. I’m that person who keeps looking for angles and shots while walking on the park. I also study the art of photography through websites and books.

The Name

Cupcakeando means, roughly, cupcakeing in Portuguese. The noun “cupcake” is in a verb tense that most well-schooled Brazilians hate because it means an action that will never stop. That’s precisely my intention. I don’t have any wish to stop my cupcake factory anytime soon, or even stop cooking in general. If I don’t have anymore orders, it will be for friends. If my friends get sick of it, it will be for my family. When my family says “ENOUGH”, it will be for myself (and maybe for my Siberian husky and my Pembroke corgi). Because that’s what I love to do and what makes me truly happy.

Copyright

All photos and texts on this website are produced by Cupcakeando, unless specified otherwise. They represent a lot of work and effort. In case you want to use any photo or text from this website, please make sure to link back to me or even get in touch with me before anything. I’ll be glad to help, but it’s important to give the proper recognition. :)

Creative Commons License
This work is licensed under a
Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

Contact

What if your question has already been answered on the FAQ? Read it just to make sure!

Send your questions or doubts through here.
I answer to each and every e-mail sent to me. Make sure you’ll get my e-mail by adding contato@cupcakeando.com.br to your safe contacts, or my answer might just flip into your spam box.